04 junho 2013

Uma primavera turca, mas ao contrário

 A Turquia está a ferro e fogo… Não fico muito admirado, mais tarde ou mais cedo tinha que acontecer. Uma primavera turca, mas ao contrário.

Foi em 1987 que a Turquia apresentou a sua candidatura formal às Comunidades Europeias, depois de meio século de secularização forçada e ocidentalização. Mas mesmo assim, a candidatura só foi oficialmente aceite em 1999. E só em 2005 lhe foi reconhecido o estatuto oficial de candidato. É caso para dizer “estava difícil”… Porque entretanto, uma dezena de outros países apresentaram candidaturas que, em algumas dezenas de meses cumpriram todos os critérios de convergência e viram abrir-se as portas europeias. E a Turquia a vê-los passar. A fórmula era evidente e os políticos do “islamismo moderado” aproveitaram a deixa: era preciso democratizar o regime, reformar as Instituições.

A democracia turca é, em si, uma evidência de que islão e democracia colidem. Não digo que sejam incompatíveis, mas é evidente que não são, de todo, doutrinas simbióticas. Vejamos: desde as reformas de Ataturk que a componente religiosa foi, em grande parte, remetida à esfera da vida privada e afastada das instituições do Estado. E a garantir esse afastamento esteve o exército, com o papel da tutela do poder político. 

No entanto, esse controlo da instituição militar sobre as instituições políticas sempre foi apontada pela União Europeia como uma manifestação do défice democrático. Portanto era preciso limitar, ou acabar com essa tutela. 

Os islamitas no poder, já com muito pouca vontade de aderir à UE, mas sem a manifestarem para não “espantar a lebre” no seu próprio parlamento, lá conseguiram levar a cabo uma revisão constitucional. E nos últimos 3 anos, tem-se assistido, de facto, a um processo de islamização, consequência directa da democratização.

Os acontecimentos dos últimos dias são então uma primavera turca, se quisermos estabelecer um paralelismo com as "primaveras árabes", mas ao contrário, porque não são os islamitas pseudo-democratas que se querem impor a um ditador secular, mas um povo (ou uma parte dele) secular, que se quer impor a um democrata islamizante. Agora, uma coisa já me parece clara: o AKP pode ter todos os objectivos políticos, menos o da adesão à UE.

02 junho 2013

Terceira República?

Não é de agora. Sempre me fez confusão e, com o passar do tempo e o sedimentar das ideias, faz cada vez mais. E vai continuar a fazer. Não compreendo como é que há cidadãos que achem normal e legítima a sua condição de súbdito, inferior perante a lei do Estado, devendo respeito a uma forma superior da vida humana, a realeza. Sou, sempre fui e, certamente, sempre serei republicano. Se algum dia, por algum prodigioso evento futuro, vier a defender a implantação de uma monarquia, será porque o mundo terá mudando tanto, entretanto, que nem o reconheceríamos se nos fosse apresentado hoje. A ideia de alguém que detém o poder, mesmo simbólico, apenas porque nasceu filho de fulano tal é algo que não me entra na cabeça. Desculpem lá os partidários da monarquia, se ainda os há em Portugal... 

Em Espanha há-os, mas são cada vez menos e os que continuam a ser estão cada vez menos convencidos. A monarquia espanhola enfrenta uma verdadeira situação de “queda livre” na popularidade e já há quem diga que o rei tem que abdicar em favor do filho se quiser que a monarquia sobreviva. Muitos sectores da sociedade espanhola protestam nas ruas e alguns exigem a terceira República, grande parte dos catalães protestam porque querem a independência e, para piorar tudo, a crise económica e o desemprego em máximos históricos fazem os jovens revoltar-se contra o sistema e protestar. Porque é tudo o que podem fazer, se não têm trabalho... Até os bombeiros já andam à porrada com a polícia de choque. E claro, os sucessivos escândalos, que não auguram um futuro auspicioso para esta família, mal escolhida por deus para governar nuestros hermanos… A ver vamos, o protesto esta na rua.

31 maio 2013

Extrema-direita não quer mesquita em Atenas

Cerca de cem manifestantes de extrema-direita protestaram, esta quarta-feira, contra os planos de construção de uma mesquita em Atenas. Já no domingo, várias centenas se tinham juntado com o mesmo objectivo, ostentando cartazes com palavras de ordem como “Não à mesquita” ou “Não à Sharia".
A capital grega é a única, entre as suas congéneres da União, que não tem uma mesquita oficial. Estima-se que haja cerca de quinhentos mil muçulmanos na Grécia, sobretudo imigrantes, e grande parte deles reside na área urbana de Atenas.
A crise económica mostra-se terreno fértil para o crescimento do extremismo xenófobo. Os ataques a imigrantes, na Grécia mas sobretudo em Atenas, aumentam ao ritmo a que se agravam os efeitos do prolongar da crise. De acordo com fontes governamentais, citadas pelo site presseurop.eu, só em 2012 houve registo de 154 incidentes.
“Se [vocês] não deixarem a Grécia até ao fim de Junho, haverá derramamento de sangue”, ameaça uma carta enviada à Associação Muçulmana da Grécia, escrita em papel timbrado do partido Aurora Dourada, mas de cuja emissão o partido afirma não ser responsável.

Esta organização política neofascista, que advoga a expulsão de todos os imigrantes e se identifica com simbologias nazis, está representada no Parlamento helénico através de 18 deputados e a sua influência, sobretudo entre as gerações mais jovens, tem aumentado significativamente nos últimos tempos.

O Aurora Dourada está fortemente empenhado em impedir o início das obras de construção, da nova mesquita de Atenas, que devem começar em breve. O partido já ameaçou levar a cabo uma mobilização, de centenas de milhares de apoiantes, para impedir o começo dos trabalhos.

26 maio 2013

O Presidente mais pobre do mundo

No post inaugural desta segunda vida do “Civilizacionices…” apresento-vos uma personagem política, conhecida de alguns, certamente, mas talvez desconhecido da grande maioria. As peculiaridades do seu comportamento, enquanto político, deviam ocupar grande parte dos noticiários em horário nobre, mas o povo prefere discutir o empreendedorismo do jovem que tem um negócio de camisolas. A promoção do chico-espertismo, como arma para combater a crise, levada a cabo pelos media, não se coaduna com o exemplo deste homem, por isso não é notícia.


José “Pepe” Mujica nasceu em Montevideu em 1935, é um agricultor e ex-guerrilheiro. Foi preso e torturado pela ditadura (1973-1985) e eleito Presidente da República Oriental do Uruguai em Novembro de 2009. Mujica vive numa modestíssima quinta (uma xácara, como referem as fontes brasileiras) com a sua companheira dos últimos 40 anos, Lucia Topolansky, também ela ex-guerrilheira, e uma velha cadela de 3 patas chamada Manuela. Dos cerca de 10 mil euros mensais do salário de Presidente, “Pepe” distribui cerca de 90 por cento por ONG’s e associações de caridade. Afirma que não precisa de mais do que o suficiente para viver.

O Uruguai é, decididamente, o país mais secular de toda a América e é histórica a sua presença na vanguarda das liberdades civis e individuais. O casamento civil, por exemplo, foi reconhecido em 1837 e uma lei que possibilitava o divórcio foi publicada em 1907. Dois anos depois nova legislação bania “toda e qualquer educação religiosa”. A consagração definitiva da separação entre Estado e Igreja chegou com a Constituição de 1917. Actualmente, seguindo o historial humanista e progressista, o Uruguai foi o primeiro país sul-americano a despenalizar a IVG e, em Março deste ano, legalizou o casamento de pessoas do mesmo sexo e a igualdade de tratamento em processos de adopção. Mantém-se ainda em aberto uma discussão sobre um conjunto de propostas de legislação para regular o cultivo e comercialização de Canábis pelo Estado.


 “O Uruguai ficou em 27º no índice "Freedom in the World" da Freedom House. De acordo com a Economist Intelligence Unit, em 2010, o Uruguai alcançou a 21ª posição no Índice de Democracia, entre os 30 países considerados "democracias plenas" no mundo. O Uruguai se classificou em 24º lugar no Índice de Percepções de Corrupção feito pela Transparência Internacional 
(in: Wikipedia, consultado a 26/05/13)

25 maio 2013

Civilizacionices, parte 2: a vingança do Pica-Miolos


OK, cá vai de novo... O Civilizacionices não morreu, cá estou de novo a publicar. Vamos ver se consigo retomar uma cadência regular. Um dilema, antes de mais: devo usar o novo acordo ortográfico? Acho que vou pensar nisso durante os próximos dias, mas por agora continuarei a escrever como aprendi. Já bastou ter tido que aprender a falar francês à pressa, para me orientar com a nova vida, ainda tenho que aprender a nova maneira de escrever correctamente a minha língua. Bahh! E ainda por cima há coisas, no acordo,  com as quais não posso mesmo concordar, por isso a resistência à ideia ainda é maior. Mas não é disso que tratamos neste espaço. Aqui o assunto tem que seguir a receita:


200 GR. DE POLÍTICA, 200 GR. DE CIVILIZAÇÃO, 150 GR. DE ETNIA, 100GR. DE IMPÉRIO, 100GR. DE CONFLITO MILITAR. 2 COLHERES DE RELIGIÃO, UMA PITADA DE OPINIÃO E INSPIRAÇÃO Q.B. COZER EM LUME BRANDO E SERVIR A QUENTE.

Passaram dois anos, muita coisa mudou, na minha vida e no mundo... Por isso e por muito mais, nesta retoma do Civilizacionices vou mudar o estilo: permitir-me-ei o uso da primeira pessoa e tentarei abordar os assuntos de um ponto de vista menos impessoal. Vamos ver no que dá... Até jazz!

23 outubro 2011

17 outubro 2010

Mapping Stereotypes - várias perspectivas sobre a Europa



Mapping Stereotypes - várias perspectivas sobre a Europa...


UE


França
Alemanha


Reino Unido
Bulgária


Estados Unidos da América





Fonte: http://creativeroots.org/?p=9757

12 setembro 2010

Turcos aprovam revisão constitucional

O eleitorado turco votou hoje favoravelmente a uma revisão da Constituição. O “sim” venceu com mais de 48% e o Governo de Recep Tayyip Erdogan sai reforçado com este resultado. O partido do poder, os “islamitas moderados” do AKP (Partido Justiça e Desenvolvimento), é favorável a uma revisão da relação de poderes entre políticos e militares.

A oposição laica acusa Erdogan de tentar “islamizar o país” e de trair o conceito estatal do fundador Ataturk. Durante a campanha eleitoral, o AKP anunciou a reforma como sendo um veículo determinante para a entrada do país na União Europeia, visão que parece ter tido eco nos media ocidentais.

Segundo resume o Público, “um dos principais motivos de preocupação dos críticos é a alteração da estrutura das duas principais instâncias judiciais do país, o Tribunal Constitucional e o Conselho Superior de Magistratura, bastiões da laicidade e que se têm oposto a diversas intenções do Governo, caso do fim da proibição do véu islâmico nas universidades”.

21 agosto 2010

The worls's best countries

Neste link pode aceder a um interessante mapa interactivo do ranking dos melhores países para viver. O estudo foi levado a cabo pela Newsweek

05 agosto 2010

Rússia “pode trair” Arménia

A provável compra, pelo Azerbaijão, de duas baterias antiaéreas Favorit S-300PMU2, de fabrico russo, poderá provocar uma “mudança radical” na “corrida armamentista regional”. A afirmação é do especialista militar arménio Artsrun Hovhannisyan, citado pelo site NEWS.am, esta quinta-feira. A Rússia ainda não terá comentado a possibilidade, mas o site azeri NEWS.az afirma que “o rumor está longe de ser infundado”.

A Rússia é o aliado estratégico da Arménia no Cáucaso do Sul, como tal, a notícia foi mal recebida em Erevan. “Se o S-300PMU2 Favorit for vendido ao Azerbaijão”, continua Hovhannisyan, isso pode ser encarado como “um acto de traição” de Moscovo em relação “ao seu parceiro estratégico” e à Arménia não restará alternativa a uma “viragem a ocidente” e à “compra de armas ofensivas”.

A Arménia e o Azerbaijão mantém, desde o desmembramento da União Soviética, uma relação difícil, fruto da disputa em torno da região de Nagorno-Karabach. Este território, internacionalmente reconhecido como pertencente ao Azerbaijão, proclamou independência em 1991. Como consequência, visto que o território era composto maioritariamente por arménios, desencadeou-se uma série de conflitos que culminaram com a invasão de toda a região pelas tropas arménias.

Em 1994, com mediação da Federação Russa, foi alcançado um cessar-fogo, que manteve a região de Nagorno-Karabakh sob controlo arménio. O conflito causou mais de 20 mil baixas. Tropas arménias e azeris mantêm, desde então, significativos contingentes junto à linha de cessar-fogo. A OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) classifica a situação como um “conflito congelado”, mesmo tendo em conta os confrontos que, em 2008, fizeram dezenas de mortos de ambos os lados.

A Arménia tem uma situação geopolítica delicada. A ocidente tem a Turquia, inimigo de estimação, país que “usurpou” um dos seus símbolos nacionais, o monte Ararat e insiste em não reconhecer o massacre de dois milhões de arménios no início do século XX. A oriente, o Azerbaijão, povo turcófono que obteve a independência do Império Otomano após a I Guerra Mundial e desde aí mantêm boas relações com a Turquia.

02 agosto 2010

Índia será o país mais populoso em 2050

O anuário norte-americano Population Reference Bureau apresentou, esta segunda-feira, o 2010 World Population Data Sheet, no qual são apresentadas previsões sobre as tendências do crescimento populacional no mundo. Segundo o Público, duas grandes tendências marcam as conclusões do relatório: uma natalidade “cronicamente baixa nos países desenvolvidos” e “mais de 80 milhões” de nascimentos anuais nos “países menos desenvolvidos”. De acordo com a mesma fonte, em 2050 a Índia será o país mais populoso no mundo, com 1748 milhões de habitantes. A China terá então 1437 milhões.

Veja aqui a notícia no jornal Público

22 julho 2010

Decisão do TIJ não considera ilegal independência do Kosovo

Fonte: The Sofia Echo

A declaração unilateral de independência do Kosovo, em Fevereiro de 2008, não terá violado o direito internacional. A afirmação é da decisão não-vinculativa do Tribunal Internacional de Justiça, tornada pública esta quinta-feira. Em Pristina houve celebrações e em Mitrovica protestos. A decisão não vai alterar, contudo, as “linhas da batalha diplomática”.

TIJ decide sobre independência do Kosovo

Fonte: Euronews.net


O Tribunal Internacional de Justiça pronuncia-se esta quinta-feira sobre a legalidade da autoproclamação da independência do Kosovo, a 17 de Fevereiro de 2008.

O parecer, não vinculativo, é aguardado com expectativa pelas autoridades kosovares albanesas de Pristina, porque pode significar o início de uma nova era numa região onde as tensões ainda continuam altas.

“Queremos que a Sérvia admita os factos, ou seja, que o Kosovo é um país formalmente reconhecido como tal por várias nações em todo o mundo, e que vai tornar-se um membro da comunidade internacional a todos os níveis”, diz o ministro kosovar dos Negócios Estrangeiros, Skender Hyseni.

Belgrado continua a considerar o Kosovo uma província, mas o estado independente já foi reconhecido por 69 países, incluindo os Estados Unidos e a maioria das nações da União Europeia.

Para a Sérvia, o parecer do Tribunal significa o prelúdio de novas “conversações” sobre o território.

“No futuro, vamos ver se as fronteiras dos Estados-membros da União Europeia estarão a salvo de ambições separatistas. Por outras palavras, vamos saber se a declaração unilateral de independência é legal”, afirma Vuk Jeremic, o chefe da diplomacia sérvia.

Outros países com grupos separatistas, como Espanha e a China, deverão acompanhar bem de perto a audiência desta quinta-feira, para perceber até que ponto poderão enfrentar um cenário próximo aos conflitos nos Balcãs.

11 julho 2010

Bósnios assinalam 15 anos do massacre de Srebrenica

A Bósnia-Herzegovina assinalou este Domingo o décimo quinto aniversário do massacre de Srebrenica. A cerimónia ficou marcada pelo funeral colectivo de 775 das vítimas, ao qual assistiram milhares de pessoas. Entre as personalidades presentes, destacou-se o presidente da Sérvia, Boris Tadic, que na véspera tinha já feito um apelo à reconciliação, ao pedir “a construção de pontes entre as nações do antigo Estado comum”, de acordo com o DN. Segundo a Euronews. Tadic terá sido alvo de vaias e insultos, mas não perdeu o tom conciliador: “Com a prisão do general Mladic”, disse, “saberei que o meu trabalho acabou. Precisamos disso para o futuro, para construir a confiança, para as próximas gerações”.

O sentimento de aproximação demonstrado por Boris Tadic, porém, não encontra correspondência entre os sérvios da Bósnia, que ainda na quinta-feira homenagearam o general Ratko Mladic e o aplaudiram como herói nacional. Mladic é procurado por crimes de guerra, para ser julgado em Haia, onde já se encontra detido Radovan Karadzic, o líder político servo-bósnio durante o período do conflito. Segundo a acusação do Tribunal Penal Internacional para a Ex-Jugoslávia, os dois homens terão planeado e executado o massacre de oito mil homens muçulmanos em Srebrenica, em Julho de 1995.


Veja aqui uma interessante entrevista a Svetlana Broz, neta do Marechal Tito, sobre a situação actual na Bósnia Herzegovina


18 outubro 2009

Frágeis avanços na reconciliação turco-arménia

As selecções nacionais turca e arménia encontraram-se esta quarta-feira em Bursa, no oeste da Turquia. no contexto do apuramento para o mundial de futebol. As equipas contaram com a presença dos Presidentes Abdullah Gul e Serge Sarkissian.

O Chefe de Estado turco ficou embaraçado quando o público vaiou o hino da Arménia. O jogo aconteceu quatro dias depois dos dois líderes terem assinado um conjunto de acordos, com vista à reabertura das fronteiras e ao estabelecimento de relações diplomáticas. A efectividade dos acordos está, porém, condicionada pela aprovação dos parlamentos nacionais.

Segundo o jornal Público, o Governo de Baku criticou o aliado turco, por assinar o documento antes de haver uma solução de compromisso para a questão do enclave de Nagorno-Karabakh. O Ministério dos Negócios Estrangeiros azeri difundiu um comunicado no qual considera que a abertura das fronteiras “colocará em xeque a paz regional e a segurança”.

04 agosto 2009

Bill Clinton consegue libertação de jornalistas detidas na Coreia do Norte

As autoridades da Coreia do Norte libertaram, esta terça-feira, as duas jornalistas americanas que estavam detidas no país desde Março. Kim Jong-il foi sensível ao pedido do ex-Presidente norte-americano Bill Clinton que, segundo o Público, terá “apresentado um pedido de desculpas”, que resultou num “perdão especial” às duas repórteres condenadas.

30 julho 2009

Gaza: pai matou a filha por esta ter telemóvel

(isto é uma notícia da TVI)

Em Gaza, território palestiniano dominado pelos fundamentalistas islâmicos do Hamas, um cidadão terá assassinado a própria filha por ter descoberto que esta possuía um telemóvel. A denúncia partiu de duas associações de defesa dos direitos humanos que, segundo a TVI24, garantiram que o crime terá sido perpetrado “em defesa da honra da família”.

O palestiniano, de nome Jawdat al-Najar, terá suspeitado que a filha de 27 anos, divorciada e com cinco filhos, usava o aparelho para comunicar com um homem exterior à família. De acordo com a mesma fonte, o homicida já se entregou à polícia e confessou o crime. Detidos foram também três dos irmãos da vítima, acusados de cumplicidade.

26 julho 2009

Grande Corrida à Portuguesa

Já vem um bocado fora de tempo, mas não deixa de ter a sua graça.



25 julho 2009

Zelaya vai continuar a tentar entrar nas Honduras

O Presidente das Honduras, Manuel Zelaya, depois de ter sido impedido de entrar no seu país por terra, na tarde de ontem, garante que não desiste das suas intenções. Na fronteira com a Nicarágua, onde estão concentrados muitos dos seus apoiantes, Zelaya atravessou a fronteira por alguns minutos, tendo recuado para evitar a confrontação com a polícia, que tem ordens para o deter. “O povo hondurenho não aceita ditadores”, disse Zelaya em entrevista a uma rádio local. “Não podem governar este país à força de baioneta”, exclamou o Presidente deposto, referindo-se à postura do Governo golpista, liderado por Roberto Micheletti.

19 julho 2009

Perguntas e respostas sobre Ciberguerra

In: DN - 18Jul09

O que é a ciberguerra?

É o uso dos computadores e da Internet para levar a cabo uma guerra no ciberespaço.

Que tácticas são mais usadas?

A ciberespionagem, a distribuição de ataques de recusa de serviço e a propagação de vírus são algumas das tácticas mais utilizadas.

O que é a distribuição de um ataque de recusa de serviço?

Uma recusa de serviço, DoS, faz com que o acesso a um determinado 'site' fique demasiado lento ou seja mesmo impossível.

O que são cavalos de Tróia?

É o termo usado para classificar 'software' malicioso que dá ao utilizador a ilusão de estar a fornecer uma função desejável, quando na realidade está a conceder acesso ao seu computador. Actualmente são usados para roubar dados confidenciais do utilizador, como a palavra de passe bancária.

Quem lança ciberataques?

Todo o tipo de pessoas, desde o adolescente entediado que anda à procura de aventura, até governos, grupos de dissidentes, grupos de criminosos... Durante as recentes manifestações no Irão, a oposição iraniana lançou vários ataques, entre os quais DoS, contra sites pró-Ahmadinejad.

Quantos países têm desenvolvido essa capacidade?

120 países pelo menos, segundo um relatório divulgado, em 2007, pela americana McAfee.

Que medidas estão a ser tomadas pelos governos?

A administração norte-americana de Barack Obama está apostada em fazer frente ao problema, tendo sido criado no Pentágono uma espécie de ciberczar. Quem vier a ocupar o cargo vai ficar encarregue da luta aos ciberataques. Manter computadores desligados da rede e da Internet é uma das medidas tomadas pelo Pentágono para proteger informações altamente confidenciais. Isto para evitar situações de espionagem que possam, por exemplo, colocar em perigo os militares americanos. Em Abril deste ano, os EUA informaram que a resposta ou a reparação dos estragos feitos.

E a Europa?

93% das empresas da UE usavam a Internet em 2007, segundo dados da Comissão Europeia. A comissária europeia da Informação e Media, Viviane Reding, tem acusado os Governos dos 27 de serem negligentes e defendido a criação de um ciberczar também na UE. "Apenas um mês de interrupção de Internet teria perdas económicas de 150 mil milhões de euros" , disse a comissária, que no mês passado defendeu o reforço da legislação europeia nesta área.

17 julho 2009

Chávez anuncia regresso de Zelaya às Honduras

O Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, garantiu esta sexta-feira que o Chefe de Estado deposto das Honduras regressará ao país “nas próximas horas”. As afirmações foram proferidas em La Paz, durante um encontro com o seu homólogo boliviano, Evo Morales. “Nós estamos com Zelaya”, disse Chávez. “Os gorilas mantém bloqueadas quase todas as rodovias, o país está paralisado, é um país ingovernável”, acrescentou, referindo-se aos golpistas. O executivo interino avisou que, se voltar ao país, Manuel Zelaya será detido.

15 julho 2009

Não desista!

(recebido por email)

“Mención especial merecen los carteles de Ferreira Leite que jalonan las carreteras portuguesas. "Não desista. Todos somos precisos", reza. Pero la desolada foto en blanco y negro de la candidata, sin maquillar, podría hacer pensar a los turistas que visitan el Algarve que se trata del mensaje de una asociación de apoyo a la tercera edad o de prevención del suicidio.”

In: La Vanguardia

09 julho 2009

Coreia do Norte acusada de lançar ciberataque nos Estados Unidos e na Coreia do Sul

A Coreia do Norte está a ser acusada de estar por detrás do ciberataque que tem afectado, nos últimos dias, um largo número de sites norte-americanos e sul-coreanos. As páginas web da Casa Branca, do Pentágono, da NSA (Agência de Segurança Nacional), entre outras, foram atacadas no fim de semana. Na terça-feira à noite, cerca de 12 mil computadores particulares terão sido utilizados para desferir um ataque, que afectou “cerca de 25 sites” sul-coreanos, “deixando-os fora de serviço por cerca de quatro horas”, relata a AFP, citando os media locais.

Leia a peça aqui